segunda-feira, 25 de janeiro de 2010

Because you have not been paying attention

Trabalho é a única coisa que o ser humano desprovido dos meios de produção pode oferecer àquele que os detém. Isso o consome oito horas por dia, 40 horas por semana. Durante cinco dias, o homem só pensa em trabalhar para no final do mês ganhar o suado dinheiro que ele persegue. Persegue para pagar suas contas, para sobreviver sem precisar se abrigar nas asas da mãe.
Se não levarmos em consideração o fim-de-semana, as oito horas que o homem gasta com seu trabalho o fazem ter que descansar mais oito horas, empregadas num belo sono revigorante e super salutar. Restam-lhe oito horas diárias para viver. Contudo nessas oito horas ele precisa se deslocar para o trabalho e realizar suas refeições, ou pelo menos sua refeição-mor, o almoço necessário para qualquer ser vivo. Com isso, ele perde cerca de duas das oito horas que lhe restam, sobrando-lhe apenas seis horas de “vida”.
E ainda há quem procura nessas seis horas que lhe resta, encher a mente com projetos para tentar angariar mais dinheiro, pois as oito horas de trabalho que ele dedica não são suficientes para garantir o seu sustento. Dessa maneira, torna-se cada vez mais difícil conquistar os meios de produção.
Sobram as 48 horas do fim-de-semana para procurá-los. Mas onde encontrar? Na busca pelos meios de produção o homem se perde em outros caminhos, que o levam a achar outros valores essenciais ao ser como a amizade e o amor. Amizade e amor quando juntos formam a união perfeita. Um amor que se torna amizade jamais terá o mesmo sabor de uma amizade que se transforma em amor. Você pode se apaixonar por alguém que se declara para você, mas será muito mais legal se você for amigo dessa pessoa. Eu nunca fui bom com esas coisas (talvez seja por isso que ninguém nunca me disse...).
No meio do caminho, o homem passa a achar que a busca por essa fusão de virtudes é mais importante do que possuir os meios de produção. E se perde na procura por esse objeto intocável tal como Galahad atrás do Santo Graal. Dentre aqueles que o encontram, muitos, infelizmente, tomam o mesmo destino do herói das lendas inglesas e os que restam, perdem o interesse na outra busca, pois preferem viver nas horas que lhe restam a doçura proporcionada pelo seu esforço no encontro.
Não sei dizer qual das duas buscas tem mais valia, mas a escolha parte de cada um. Faça você a sua. O tempo não espera por ninguém.

3 comentários:

Anônimo disse...

Veja meu orkut e saberás que já fiz tal escolha caro amigo..
Tá osso viu. Gostar e não ser correspondido me parece mais doce que a recíproca que cai na rotina. A busca é sempre mais excitante que a conquista. Me parece algo que não acaba nunca e, com tantas idas e voltas, sempre se renova em alguém que se faz completamente diferente de tudo aquilo que já se experimentou, mesmo depois de achar já ter experimentado tudo. Amo imensamente e sem rodeios, pq descobri que só assim sinto na pele toda essa doçura da qual tenho tanto medo de perder um dia...

Wálisson disse...

É uma coisa que sempre digo: arrume um trabalho que goste e nunca terá que trabalhar.
Logo vc ganha mais 8 horas de vida

Thlls disse...

Evito pensar nessas coisas para não lembrar decepções ~~